quinta-feira, 22 de junho de 2017

"Blood Fury" (Fúria de sangue) novo livro de J.R. Ward da série Irmandade da adaga negra

Oi Gente!!

Pensa em uma pessoa que ficou feliz?!!! Euuuu!!! Gente fala sério, aguardo ansiosíssima o lançamento de dois livros da série aqui no Brasil, pois nos Estados Unidos eles foram lançados  ( livro "Blood Vow" em tradução livre 'Voto de Sangue') Dezembro de 2016  e ("The Chosen" em tradução livre e não oficial 'A Escolhida') Abril de 2017 e até o momento ainda não tem previsão de seu lançamento no Brasil. O que me deixa muito triste pois aguardo estes lançamentos a algum tempo, e nada pelo amor Deus será que a Editora Universo dos livros não poderia acelerar com o lançamento?!!! 

Hoje pesquisando e procurando encontrei o resumo deste novo livro no Site de J.R. Ward e fiquei nas nuvens mas, mais uma vez ele não tem previsão de lançamento no Brasil somente nos Estados Unidos, a partir de 9 de Janeiro de 2018. Aff como vai demorar para chegar no Brasil... A esperança é a última que morre, então vou torcer para eles desenrolarem logo os livros. Então pessoal abaixo um breve resumo da obra;

Foto: Capa livro
Blood Fury
Em um novo romance paranormal novo e sexy no mundo da série # 1 New York Times best-seller Black Dagger Brotherhood, um par de vampiros guerreiros estagiários no programa da Fraternidade lutar contra sua atração enquanto eles lutam contra um novo inimigo, lado a lado. 
Irmãos no centro de treinamento da Black Dagger Brotherhood empurram os recrutas até o limite para se tornarem mais rápidos e fortes do que nunca, enquanto se preparam para a luta contra a Sociedade Lessening. Novo, um sobrevivente resiliente que é um pouco áspero nas bordas, superou um grande negócio - incluindo sua intensa atração pelo suave e aristocrático Peyton, com quem ela compartilhou uma conexão física apaixonada. Mas quando Peyton finalmente admite seus verdadeiros sentimentos por Novo, ela o rejeita para um homem mais estável. Fonte http://www.jrward.com/books/blood-fury-2/

Lançamento Editora Valentina Junho 2017

Oi Gente!!

O livro "Dumplin" é o grande lançamento da Editora Valentina para o mês de Junho, um livro fora do comum, pois além de trazer o drama da vida adolescente de uma garota americana mostra também como lidar com os problemas de uma forma que poucos são capazes de fazer. A sinopse do livro me surpreendeu muito prometendo um livro maravilho que ajudará muitos jovens a aceitar a si mesmo como são e não o que os outros esperam. Valem muito a pena ler este livro!! Abaixo um breve resumo da obra.

Foto: Capa livro Dumplin
Livro: Dumplin
AutorJulie Murphy
Tradução: Heloísa Leal
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação. Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre.
Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo... até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular... e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca.
Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela. Fonte Editora Valentina

Lançamento Editora Pandorga Junho 2017

Oi Gente!!!

Hoje vou postar os lançamentos da Editora Pandorga serão quatro livros lindíssimos, eu comentei em um post que eu amo capas de livros, e estou apaixonada por uma capa em especial, muito linda. Mas não podemos julgar um livro pela capa, mas gente ele me ganhou e a sua história promete, como todos os romances este também tem seus clichês pelo que vi, mas as histórias são assim temperadas com uma pitada de clichês! O lançamento está recheado de livros ótimos para toda a família, com romances e também um livro infantil então vamos lá mãos a abro e garanta o seu livro! 

Foto: Capa livro
As coisas não são assim
Livro: As Coisas não são assim
AutorRenata Corrêa
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Clarisse, uma jovem estudante de medicina, perde seu namorado, que acreditava ser o grande amor da sua vida, às vésperas de formatura, após sofrerem um grave acidente de carro. Morre com Guilherme um pouco da alegria de viver de Clarice, da sua esperança e do seu futuro.
Depois de mais de um ano do falecimento de seu amado, o destino coloca na vida de Clarice, Henrique, um jovem advogado viúvo e pai de Duda, uma menininha loira, muito esperta e amorosa. Envolvidos por um sentimento sincero, terão que enfrentar grandes dificuldades e um sofrimento inesperado.
É uma bonita e delicada história sobre recomeço, fé, esperança e sobre o poder do amor. Fonte Editora Pandorga






Foto: Capa livro Voraz
Livro: Voraz
AutorBárbara Shênia
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Clara é uma brasileira que tem um relacionamento complicado e cheio de traições com Eric. Todo o sofrimento causado pelas idas e vindas desse romance acaba afetando seu lado profissional e sua vida social. Após ser demitida e encontrar Eric mais uma vez com outra mulher, Clara decide retomar sua vida e, seguindo o conselho de uma de suas amigas, resolveu fazer uma viagem para a Grécia.
Assim que desembarca na Grécia, ela conhece Alexandros. Clara fica encantada com a beleza dele, mas ao mesmo tempo desapontada com sua arrogância, Alexandros, grego e multimilionário, a deseja no momento em que coloca os olhos nela, mas com medo de que ela se interesse apenas por seu dinheiro, ele tenta não se envolver e acaba sendo grosseiro.
Recheado de romance, ciúmes, intriga e cenas quentíssimas, Voraz envolve o leitor em uma viagem imaginária. É um dos seis livros que conta a história de cinco amigas. Clara, Alice, Lívia, Ana e Giulia vão fazer você viver junto com elas novos conceitos sobre sexo e aventuras na vida de mulheres contemporâneas, ousadas e românticas. Fonte Editora Pandorga


Foto: Capa livro Promíscuo
ser de partitura finita
Livro: Promíscuo ser de partitura finita
AutorCris Coelho
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Duas vidas entrelaçadas por um mesmo propósito. Um carma que é passado por diferentes gerações unindo duas mulheres em épocas distintas. De um lado, está Maria Scarlet, uma prostituta de um passado distante que, após apanhar muito da vida, consegue se estabelecer como dona de um bordel. Com o tempo, o bordel ganha fama e se torna referência na pacata Holanda de 1750, derivando a qualidade de seu nome para a rua a qual o estabelecimento funcionava: “Red Street”, atualmente conhecida como “Red Light”.
 Do outro lado, está Anna Lara, uma mulher frágil e atormentada pelas lacunas do seu sombrio passado. Com o suporte de Maria Scarlet, Anna Lara cria defesas emocionais por meio da energia sexual que recebe de sua protetora e se torna participante ativa e assídua de toda forma de desvio sexual, ao lado de seu parceiro de vida, Jota Jr. Em um enredo psicológico completamente envolvente, Anna Lara esbarra nas lacunas sexuais escondidas nas partituras não terminadas de um universo promíscuo e misterioso. Fonte Editora Pandorga


Foto: Capa livro
 A bruxa Babarruga
Livro: A bruxa Babarruga
AutorAna Cecilia Porto Silva
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
A bruxa Babarruga não gosta de crianças, a vontade dela é de jogá-las no caldeirão. Ela mora na estrada triste, portanto está sempre triste e mal-humorada, até que um dia ela recebe um visitante: Guga, um menino teimoso, porém muito corajoso, que irá mudar toda a história desta bruxa. Fonte Editora Pandorga











Lançamento Editora Rocco Junho 2017

Oi Gente!!

Estes são os lançamentos da Editora Rocco para junho de 2017, são livro de romance, sendo suspense, ficção e um livro sobre correspondências, livros para todos os gêneros. Alguns livros me chamaram a atenção e posso garantir que estão na minha lista de leitura, e gente esta lista só aumenta. A cada lançamento eu incluo um monte de livro, fica até difícil decidir por qual começar. Espero que encontre algum livro que gostem. Abaixo uma breve apresentação dos livros. 

Foto: Capa livro
Querida filha
Livro: Querida filha
AutorElizabeth Little
Tradução: Fabienne W. Mercês
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Dez anos atrás, em um julgamento que parou a América, a jovem celebridade Janie Jenkins foi condenada pelo assassinato de sua mãe. Agora, ela foi libertada devido a um problema com as provas. E está disposta a provar sua inocência e desvendar o mistério que envolve as últimas palavras da vítima. Mas primeiro precisa driblar a mídia, que promete não deixá-la em paz. Querida filha é o livro de estreia de Elizabeth Little. Um thriller sensacional sobre uma heroína improvável que talvez tenha matado a própria mãe.
Bem-nascida, educada, criada na Europa e recém-saída da prisão. Janie Jenkins foi presa no auge da fama, acusada de ter matado a mãe, uma socialite famosa pelas obras de caridade e a capacidade de arrumar maridos ricos. Liberada pela justiça, Janie tem apenas uma pista do que pode ter ocorrido há dez anos, um nome: Adeline.
Mas primeiro precisa despistar a imprensa e o interesse mórbido do público. Com o apoio relutante de seu último advogado, Janie consegue “sumir” e parte para Dakota do Sul, em busca de redenção. Lá, encontra muito mais do que esperava. São muitas perguntas e poucas respostas, mas que podem esclarecer bem mais que o assassinato de sua mãe. Pistas que podem mudar toda a sua vida.
A cada descoberta, e a cada virada da trama, a protagonista é levada a um novo mistério e parece chegar um pouco mais perto da absolvição. Ou não? Elizabeth Little mostra um grande talento em sua estreia e cria uma trama eletrizante e engenhosa, onde o leitor é apresentado (e aprende a amar) Janie Jenkins, uma personagem cínica e sedutora que busca a verdade a qualquer custo. 
Querida filha é o terceiro título da Luz Negra, coleção que reúne a revelação do novo suspense. Mais do que descobrir o assassino ou focar na investigação de uma cena do crime, os títulos da Luz Negra enfatizam o aspecto psicológico e a ambiguidade de seus personagens. Fazem parte da coleção livros Uma garota de muita sorte, de Jessica Knoll, e Em um bosque muito escuro, de Ruth Ware. Fonte Editora Rocco

Foto: Capa livro
A perda de si

Livro: A perda de si
AutorAntoni Artud
Tradução: Ana Kiffer E Mariana Patrício Fernandes
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
A perda de si apresenta cartas selecionadas das Obras completas de Antonin Artaud (1896-1948), grande parte há poucos anos editada na França pela primeira vez e até aqui inédita no Brasil. Nas palavras da organizadora Ana Kiffer, o conteúdo “convida ao leitor a percorrer através do tempo de uma vida de escrita a escrita da vida” de um poeta muito comentado e pouco lido. O volume, que conta com tradução de Kiffer e Mariana Patrício Fernandes, dá continuidade à coleção Marginália, que revela aspectos menos conhecidos de alguns dos maiores escritores modernos a partir da reunião de cartas, bilhetes, ensaios e artigos. A curadoria está a cargo do jornalista Miguel Conde. Autor de uma obra repleta de blasfêmias contra o status quo reinante, dos partidos políticos à igreja, Artaud jamais deixou de ter uma aura marginal. O “desconhecimento” de seus textos, no entanto, parece estar diretamente relacionado à vastidão e à variedade de sua obra, composta de 28 volumes de 500 páginas cada um – além de desenhos, filmes, teatro e gravações de rádio. Ainda assim, poucos formatos são capazes de mostrar um Artaud tão completo quanto as cartas. De certo modo, foi por elas que se consagrou autor: quando envia seus poemas ao então editor da Nouvelle Revue Française, Jacques Rivière, este lhe nega a publicação por meio de uma carta. Tal rejeição dá início a uma correspondência muito particular entre um aspirante a escritor e um consagrado “homem de letras” – que descobre nas epístolas daquele jovem um olhar muito preciso sobre o espírito humano. As cartas a Rivière, escritas em Paris nos anos 1920, abrem o livro com um passeio pelas vanguardas europeias e detalham aquilo que Artaud identifica como sua experiência de “abandono do espírito” – o deslocamento da atividade da escrita para um conjunto de sensações da carne e não mais para a coerência do intelecto. Da mesma época vêm as trocas com Anis Nïn e Alexandra Pecker, que, em sua crueza afetiva, desconstroem o que se consolidou chamar de “correspondência amorosa”. Na década de 1930, durante uma aventura no México, ele explora a questão do teatro e da cultura ao se deparar com a questão do outro em uma aproximação dos povos indígenas do “novo mundo”. Depois, escrevendo aos doutores Latremolière, Dequeker e Ferdière, expõe sua relação com a loucura, enquanto seu contato com André Breton faz com que o leitor possa reavaliar as relações entre modernismo, surrealismo e revolução. Para Ana Kiffer, as cartas selecionadas compõem “uma travessia sobre uma experiência que ao desfazer linhas divisórias desestabiliza territórios anteriormente delimitados, uma travessia que transborda e, ao transbordar, cria zonas imprevistas entre o dentro e o fora, alargando o próprio espaço-limite como espaço vivível, mesmo quando irrespirável”. Antes de tudo, A perda de si: Cartas de Antonin Artaud é um livro sobre a vida em sua forma mais pulsante. Fonte Editora Rocco


Foto: Capa livro
Os fantasmas
Livro: Os fantasmas
Autorcésar Aira
Tradução: Joca Wolff
Comprar: Saraiva Cultura Amazon

Tempo e espaço são restritos: no último dia do ano, um novo prédio de luxo em Buenos Aires deve ser entregue aos proprietários; a construção, no entanto, segue inconclusa. Os habitantes desse pequeno universo, por outro lado, são abundantes e diversos. Pela manhã passam por lá os futuros moradores, acompanhados de arquitetos e decoradores, subindo e descendo, tirando medidas e tomando notas, enquanto, paralelamente, o trabalho dos pedreiros não cessa e o porteiro segue precária e provisoriamente ocupando um dos pisos. Mais tarde, entra em cena mais um grupo de personagens: são Os fantasmas, que dão nome ao romance do argentino César Aira.

Mais inconvenientes que assustadores, os fantasmas surgem como uma verdadeira legião, saindo daqui e dali, com rostos inverossímeis e sempre propensos a, sem razão aparente, gargalhar e gritar como balões estourando – ainda que, em certo ponto da trama, o leitor acabe descobrindo que eles também podem conhecer a seriedade. Flutuam estupidamente como fantoches, porém são opacos, bem opacos, por mais que seus corpos branqueados até o último centímetro de pele por uma camada espessa de pó branco possam se confundir com a luz.

Não se trata, todavia, de uma história de terror. A presença dos fantasmas, mesmo que repleta de estranheza, parece natural, enquanto a trama tem em seu núcleo a populosa família do porteiro, imigrante chileno, e os preparativos para a ceia de ano-novo. Abordando sonhos, diferenças, relacionamentos, sobremesas e supermercados, Aira se apropria de um elemento fantástico para elaborar um texto delirante e fascinante que rompe convenções e, página após página, renova expectativas – em suas próprias palavras, “sem ensinamento, informação ou posturas filosóficas e políticas”.

Escrita em 1987 e publicado pela primeira vez na Argentina em 1990, tendo permanecido inédita no Brasil por quase três décadas, a obra, que integra a fase inicial da prolífera carreira do autor, é até hoje vista pela crítica como uma das melhores de Aira – cujo currículo já soma mais de 60 romances e quase 30 volumes de contos e ensaios. Conciso e poético, capaz de combinar de maneira única o social ao surreal, construindo uma atmosfera que a revista New Yorker comparou a uma pintura de Chirico, Os fantasmas é uma narrativa sobre inocência, desejo e morte que um dos grandes nomes da literatura em língua espanhola saborosamente conduz por trilhas incertas a significados ilimitados. Fonte Editora Rocco



Foto: Capa livro
O caminho de casa
Livro: Os fantasmas
Autorcésar Aira
Tradução: Joca Wolff
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Romance de estreia da jovem autora ganense-americana Yaa Gyasi, O caminho de casa chega ao Brasil com reconhecimento de crítica e público suficientes para justificar toda a expectativa gerada pela sua publicação. Se debruçando com maturidade sobre as feridas abertas da escravidão, Gyasi constrói uma obra “surpreendente” (The Guardian) e “hipnotizante” (The New York Times), “um tesouro a ser apreciado” (Financial Times).

Consagrada como melhor estreia literária pelo prêmio 2017 PEN/Hemingway, O caminho de casa é uma coleção das histórias interligadas de duas irmãs e suas sete gerações de descendentes. Nas primeiras páginas, conhecemos Effia, nascida no século XVIII, no calor almiscarado da terra dos fântis de Gana, na Costa do Ouro africana. Uma das mais belas jovens de sua aldeia, vítima da ira constante da mulher que a criou, Effia se vê afastada da família ao ter sua mão concedida a um homem branco, James Collins, governador britânico recém-nomeado para o Castelo de Cape Coast. Ali, no conforto de seu novo lar, Effia não pode imaginar que sua meia-irmã axânti, Esi – da qual desconhece a existência –, está no calabouço, empilhada com outras centenas de escravos, em meio a excrementos e gritos de raiva e medo, à espera dos navios que os levarão para as plantations na América do Norte e do Caribe.


É nos ramos da árvore genealógica de Effia e Esi que Yaa Gyasi explora os reflexos da escravidão ao longo de 250 anos. Cada capítulo em O caminho de casa tem seu protagonista e sua história de opressão, mantida não apenas pelas correntes físicas enroladas nos pulsos e tornozelos, mas também pelas correntes invisíveis que envolviam a mente mesmo após o fim do comércio legal de escravos.


Das fortalezas construídas pelos europeus e aldeias onde viviam os fântis e axântis nas terras africanas às plantations e minas de carvão no Alabama, Estados Unidos, aos estaleiros em Maryland e o Harlem, o leitor é apresentado a Ness, Quey, H Duas-Pa´s, Kojo Freeman, Abena, Yaw, Marcus, para citar apenas alguns dos nomes que juntos compõem um retrato do que a escravidão significou – e ainda significa – para milhões. São crianças, jovens, adultos, idosos que carregam cicatrizes físicas e emocionais inimagináveis, que se viram retirados à força dos braços de suas mães, acorrentados e enviados para o outro lado do Atlântico, e que, após o fim da escravidão, continuaram a ser segregados, vivendo sob a iminente ameaça de serem mandados de volta para seus senhores e serem presos por ocorrências como não atravessar a rua quando vinha uma mulher branca.


“Todos eram responsáveis. Nós todos éramos... nós todos somos.” Entre os atributos do romance mais celebrados pela crítica está a coragem e honestidade da autora ao tratar de um assunto complexo como a escravidão sem recorrer a soluções fáceis como sentimentalismo e o delineamento do bem e do mal em linhas claras (The Washington Post). É com personagens negros, mestiços e brancos igualmente capazes de atos de generosidade e bárbarie que Gyasi aborda tópicos sensíveis como a cumplicidade de africanos no comércio de escravos, intensificada pela exploração de rivalidades preexistentes entre povos da mesma etnia pelo homem branco (Abro Ni, o perverso); as falsas promessas e alianças; a violenta realidade da fome, chibatadas, estupros, às vezes diários; a separação, destruição completa de famílias; as tentativas, muitas vezes frustradas, de se reerguer, fazer alguma coisa a partir de um passado que se preferiria esquecer.

“Nós acreditamos na história de quem detém o poder… Por isso, quando se estuda História, é preciso sempre fazer perguntas. Que história não está sendo contada?”, alerta a professora Yaw a seus alunos no livro. É essa história que Gyasi, se juntando a outras autoras negras como Toni Morrison (Amada) e Chimamanda Ngozi Adichie (Hibisco Roxo), tenta contar em O caminho de casa, amplificando vozes que, em pleno século XXI, continuam a ser sistematicamente silenciadas.


“Quanto vale o bicho humano?”, se questiona Effia diante das atividades comerciais do seu marido branco. Em países como os Estados Unidos e o Brasil, onde a desigualdade racial continua a pleno vapor, onde, por exemplo, a incidência de homicídios de negros é infinitamente superior à de brancos, a pergunta de Effia continua pertinente. Mais do que um retrato do quão cruel e terrível foi a escravidão, O caminho de casa mostra seu impacto no mundo contemporâneo, vem para nos lembrar como chegamos aqui, evitando que essa parte significativa da História que gera tanto desconforto seja esquecida, e chamando a atenção para a constante criação de novas formas de subjugação do negro na sociedade. É uma obra literária necessária, essencial. Fonte Editora Rocco


terça-feira, 20 de junho de 2017

Lançamento Editora Fábrica231 Junho 2017

Oi Gente!!

Este mês de Junho temos dois lançamentos lindíssimos da Editora Fábrica231 trás dois romances sendo um erótico "O Selvagem" segundo livro da Série O homem dos meus sonhos e também um romance de Julie Buntin muito elogiado em sua estreia. Estes dois lançamentos prometem virarem seus mundos de pernas para o ar, então corram e garante o seu livro pois eles são de tirar o folego. Abaixo uma breve apresentação dos livros

Foto: Capa livro
O selvagem
Livro: O selvagem #2
Série: O homem dos meus sonhos
AutorKristen Ashley
Tradução: Alyda Sauer
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Em O selvagem, segundo livro da série O Homem dos Meus Sonhos, Kristen Ashley conta a história de Tessa O’Hara, a simpática dona de uma confeitaria que guarda um segredo devastador. Completamente apaixonada pelo sexy e intenso Jake Knox, com quem sai há quatro meses, ela não desconfia que seu amante é um agente da polícia. Ao longo de uma trama cheia de reviravoltas e cenas tórridas, a autora atiça a imaginação e a curiosidade de quem lê, prendendo a atenção até a última página.
Depois de conseguir o divórcio, Tessa O’Hara se tornou a dona de uma bem-sucedida loja de bolos e doces. Quando o atraente Jake Knox entra no estabelecimento e, em poucos segundos, a convida para sair, ela aceita quase que imediatamente, mesmo sem acreditar que tenha despertado o interesse de um homem tão bonito. Quatro meses depois, eles continuavam juntos, contrariando a expectativa de Tess de que alguém tão incrível não seria para ela.
Na primeira noite em que vão para a cama, uma surpresa: um telefonema depois do sexo faz Jake sair às pressas, forçando Tess a prometer que conversariam depois. Ela demora a cair no sono, mas não dorme por muito tempo. É acordada pela polícia arrombando a porta da casa e acaba levada para a delegacia. Seu ex-marido, Damian Heller, está envolvido com tráfico de drogas e os investigadores querem saber se Tess também tem ligação com o mundo do crime.
Na sala de interrogatório, Tess acaba confessando que não é criminosa, mas sim vítima: fugiu de Damian e pediu o divórcio para se livrar de um marido que passou a agredi-la e chegou a estuprá-la. O que ela não sabia era que confessar seu maior segredo a um estranho não seria a pior coisa a lhe acontecer naquela madrugada. Enquanto chamava um táxi para deixar a delegacia, Tess reconhece um homem em uma das salas e fica chocada ao ver o distintivo brilhante no cinto dele. Jake Knox, o seu namorado, era na verdade Brock Lucas, policial que trabalhava disfarçado em investigações sobre o narcotráfico.
Três meses depois de ser interrogada pela polícia, Tess está em casa, quando é surpreendida pelo seu antigo amor. Ele quer ter a conversa que ela havia prometido. Seu primeiro impulso é expulsá-lo, mas Brock não está disposto a ir embora enquanto não se explicar. Conseguirá Tess resistir a um homem tão intenso, que garante que os momentos passados a dois foram verdadeiros? É possível acreditar em alguém que mentiu sobre o próprio nome e se aproximou dela porque trabalhava em uma investigação policial? Deixe-se conquistar por O selvagem e descubra. Fonte Editora Fábrica231 

Foto: Capa livro
Marlena
Livro: Marlena
AutorJulie Butin
Tradução: Eliza Nazarian
Comprar: Saraiva Cultura Amazon
Cat se muda para uma pequena cidade no interior do estado do Michigan, nos Estados Unidos. Sozinha, tendo deixado para trás tudo que lhe era valioso, a jovem se aproxima da vizinha Marlena, e inicia aí uma inusitada amizade. Apesar de totalmente diferentes, as duas mergulham num ano de excessos e descontroles, que marcam a vida delas para sempre. 
O elogiado romance de estreia de Julie Buntin é narrado do ponto de vista de Cat. Formada e vivendo em Nova York, ela relembra os dias intensos ao lado da melhor amiga. Mesmo após anos, Cat não passa um dia sequer sem que algo a lembre de Marlena, a amiga com quem testou seus próprios limites. 
Marlena gostava de viver intensamente. Fã de David Bowie, Pixies, Billie Holiday e Joni Mitchell, ela apresenta muito mais do que uma seleção musical para a tímida Cat. Elétrica, maníaca, bela e perigosa, ela é o oposto de Cat, mas as duas se tornam inseparáveis. Juntas, Cat experimenta o primeiro cigarro, a primeira bebida e o primeiro beijo. Enquanto Marlena se afunda em vícios mais perigosos. 
Brutal e inocente, Marlena fala sobre marcas deixadas por pessoas que cruzam a nossa vida, mas que nunca saem delas. Fonte Editora Fábrica231